A sedução Inglesa

Triumph_Spitfire_Artigo_Garage_(15)



























A fabrica de automóveis Triumph nasceu em 1923. Antes ela já fabricava bicicletas no final do século XIX e, em 1902, passou a fazer também motocicletas. Foram muito famosas em todo o mundo.
No começo dos anos 50 a empresa fabricava roadsters de dois lugares sem capota que faziam sucesso. O primeiro foi o Spider com motor Vanguard. Depois veio a linha TR que se tornaria um sucesso e em toda sua série até 1974. Mas ela ficou muito mais famosa com o modelo que viria a seguir.

Triumph_Spitfire_Artigo_Garage_(22)

































Homenageando o famoso caça da 2ª Grande Guerra Mundial, o Triumph Spitfire foi apresentado em Londres, Inglaterra em outubro de 1962. O projeto já estava pronto desde 1961 mas o lançamento foi atrasado devido a compra da empresa pelo grupo Leyland Motor Corporation.

 

O Spitfire IV era um carro esporte pequeno para dois ocupantes. Motor dianteiro, tração traseira. Media 3,68 metros de comprimento. Como todo bom roadster inglês, o capô era longo e a traseira curta com linhas curvas. Atraente, bonito, com preço acessível e com um ar extremamente jovem. Detalhe bem esportivo e interessante era que o capô e pára-lamas formavam peça única e sua abertura se fazia por pequenas maçanetas posicionadas verticalmente nas laterais inferiores dos pára-lamas perto das portas. 

Triumph_Spitfire_Artigo_Garage_(9)

































O motor Herald de 4 cilindros em linha, refrigerado a água, tinha 1147 cm3 e 63 cavalos a 6000 rpm. Era alimentado por dois carburadores invertidos da marca SU e sua taxa de compressão era de 9:1. Pesava 700 quilos, sua máxima era de 154 km/h, fazia de 0 a 100 Km/h em 16 segundos e seu consumo estava por volta dos 13 km/l. 
A capacidade do tanque era de 38 litros. Para abastecer, o bocal cromado, de travamento com clique rápido,  ficava no centro, atrás, antes da abertura do pequeno porta-malas. Outro charme do pequeno inglês e que não mudou de local até o final de sua produção . 

 Triumph_Spitfire_Artigo_Garage_(33)


































Na frente dois faróis nas extremidades e dois pequeninos abaixo de cada um destes, sendo que um deles era o sinalizador de direção. No meio a grade retangular bi-partida.
Por dentro chamava a atenção a instrumentação básica e simples que ficava ao centro do painel que era em chapa e da mesma cor do carro.

 

No ano seguinte já podia receber uma capota de fibra, ou seja, como era chamada na época, a versão Hard Top. Ainda, rodas raiadas opcionais e também overdrive para duas ultimas marchas do cambio de quatro.

 
Triumph_Spitfire_Artigo_Garage_(26)

































Em preço, tamanho e potencia seu competidor natural, em terras inglesas, era o MG Midget Mk II. E custavam 30 % a mais que um VW sedã.
Até dezembro de 1964 foram vendidos 45.500 exemplares. Neste ano recebeu nova grade dianteira, motor mais potente, agora com 67 cavalos e o painel passava a ser pintado de preto. Era o modelo Mk II.

 Triumph_Spitfire_Artigo_Garage_(38)



































O Spit III nasce em 1967 e é apresentado ao publico em Genebra, na Suíça. O motor novo ganha potência outra vez: 1296 cm3 e 75 cavalos. Sua velocidade final passava a ser 160 km/h. Era ágil em pequenas estradas, fácil de dirigir e bom de curvas. Usava pneus 155 SR 13. A suspensão dianteira tinha molas helicoidais, a traseira feixes de molas e as 4 rodas eram independentes. 
Por fora os pára-choques eram maiores, nova grade e a capota de lona passa a ser dobrável. As vendas são ainda maiores e o carrinho continua a fazer muito sucesso na Europa e também sendo apreciado nos EUA como uma opção barata e esportiva.

Triumph_Spitfire_Artigo_Garage_(12)


































Em 1968 o grupo Leyland passa a ser controlado pela BMC, British Motor Company, que também reúne as marcas Austin, Morris e Jaguar.

 

Em 1970 surge a versão Mk IV. Trata-se de um novo Spitfire. Ele é mais moderno e mais bonito. A traseira esta mais alongada, o pára-brisas maior e frente com um ângulo mais pronunciado. Por dento o painel está agora atrás do volante e mais completo. Tem velocímetro com escala em milhas e quilômetros por hora, Conta-giros, marcador de temperatura, nível de combustível e volante esportivo espumado de três raios. Para parar melhor o esportivo possui agora possuía duplo circuito de frenagem. Os freios eram a disco na frente, tambores atrás e opcionalmente era oferecido o servo-freio.

 
Triumph_Spitfire_Artigo_Garage_(34)


































Passados dois anos já tinha apoio para a cabeça nos bancos. Apesar deste acessório ser muito útil para a segurança, a qualidade dos tecidos dos bancos já não era o mesmo. A versão USA era identificada pelos borrachões nos pára-choques, pelo bagageiro traseiro e por spoilers. O motor 1500 por sua vez era reprimido com catalisadores e equipamentos anti-poluição para atender as normas vigentes principalmente na Califórnia que sempre recebeu bem os esportivos de todo o mundo. A potência caía para 53 cavalos. O overdrive estava presente só na quarta marcha e o painel recebia acabamento em madeira. Tinham também barra de proteção anti-capotagem logo após os assentos e rodas de liga leve.

 

Na Europa, no ano seguinte, os pára-lamas traseiros estão mais largos e o modelo Mk IV deixa de ser produzido cedendo lugar ao 1500 de 75 cavalos. Foi fabricado até 1981 sendo que do modelo Mk IV foram produzidos 95.800.





Nas pistas.

Nas competições a Triumph também participou. Em 1959 com o modelo S Twin-Cam fez bonito em Le Mans e também em várias provas americanas. O Spitfire de série também deixou marcas nas pistas européias e Yankees. Era uma categoria barata e por isso acessível para debutantes. Mas tinha-se que adaptar um radiador de água maior e um de óleo para a manutenção de altas velocidades pois os motores não agüentavam.

 

Ele deixou uma legião de fãs no mundo inteiro e é muito cultuado hoje. Sua carroceria e mecânica não alteraram muito durante toda a produção. Suas linhas envelheceram pouco.  No Brasil ele ficou conhecido nos anos 60 por causa de uma promoção de uma fábrica de calça Jeans que estava sorteando um exemplar. 





Nos Encontros.

Em Nova Lima, Minas Gerais. 

Triumph_Spitfire_Artigo_Garage_(3)


































 

 

Visto de trás. 

Triumph_Spitfire_Artigo_Garage_(23)

































No Salão Internacional de Veículos Antigos (SIVA) em São Paulo em 2012.

Triumph_Spitfire_Artigo_Garage_(30)

































Em Campos do Jordão em Maio de 2014. 

Triumph_Spitfire_Artigo_Garage_(35)



































Para ler: 

box_auto 







Leia sobre o Triumph e outros vários carros brasileiros comprando a coleção de livros na Editora Alaúde. 





















Volte ao site retroauto.
Volte à página inicial.

 
   
 

© Copyright - Site Garace D'Époque - Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução de conteúdo do site sem autorização seja de fotos ou textos.


 

  Site Map